quinta-feira, 3 de abril de 2014

Divergente

Numa Chicago futurista, onde as pessoas estão divididas em cinco facções com base nas suas personalidades, uma adolescente descobre o que é divergente - uma pessoa que não se encaixa em qualquer uma das facções -  e logo descobre segredos numa sociedade aparentemente perfeita. 


Nem sei o que devo dizer... A qualidade deste filme desceu a cada minuto que passava. Eu li o livro, e por isso admito desde logo que não seria fácil gostar do filme, mas o estranho é que tenho o testemunho de uma pessoa que não leu o livro e achou exactamente o mesmo que eu: o filme começa bastante bem, vê-se que há uma história, que é contada calmamente e com nexo (mesmo que faltem alguns pormenores e personagens existentes do livro), e de repente o filme começa a acelerar e fica completamente estragado. Digamos que dou um 18 em 20 para a primeira parte e no fim passo para um 14... Logo, dá para ver a diferença.
Esquecendo a parte da história e do enredo, o filme está excelente, a direcção de imagem e a realização estão bastante boas, já vi bandas sonoras muito piores em filmes que deveriam ser melhores... Nesse aspecto nada de mal.
Quanto ao ambiente e tipo de pessoas a ver este filme, que é um assunto que às vezes gosto de falar, é o seguinte, foi uma estreia e reparei que muitas das pessoas que estavam a ver já tinham lido o livro. Na sala a maioria eram jovens adolescentes, haviam alguns mais adultos, como uma mãe (que reparei ter lido o livro) a acompanhar a sua filha... Tenho de admitir que a minha mãe me perguntou se valia a pena ver (e ela leu o livro) e eu disse que não, portanto... Admito que este não é um filme que eu recomende, estava à espera de mais.

Sem comentários:

Publicar um comentário